Scroll to top
  • Tel.: (11) 3864.7023 / 3938.2611

Atualidades Psicanalíticas #32

As mulheres contam suas histórias

 Por Marco Focchi

Sabemos que no final de sua vida, Freud permaneceu com pelo menos um enigma sem solução, o da sexualidade feminina: Não sei o que quer uma mulher, disse ele. Tendo desvendado o componente sexual subjacente à histeria, tendo trazido à luz a sexualidade infantil, Freud tropeçou no desejo de Dora quando ela queria a sra. K e não seu marido, como era de se esperar. Por outro lado, não podemos dizer que o momento era propício para as mulheres falarem sobre seu desejo.

Temos a prova disso de um escritor que era amigo de Freud, Stefan Zweig, que nos forneceu um quadro extraordinário daquele período em seu belo livro O mundo de ontem [The World of Yesterday].

Se as mulheres de hoje, às vezes, se sentem obrigadas a fingir um orgasmo a fim de não decepcionar seus parceiros, outrora sob o reinado da Rainha Vitória, cujo espírito moral inspirou a Europa, as mulheres faziam o possível para ocultar seu orgasmo, se por acaso o tivessem, especialmente se no coito legal com seus maridos.

Naquela época, de acordo com Zweig, não apenas a sexualidade das crianças era ignorada, mas também a sexualidade feminina era completamente não reconhecida. Não apenas a própria mulher não deveria manifestar expressões de sexualidade, mas uma mulher era considerada como tendo acesso ao desejo sexual apenas por duas vias: a via legal do casamento e a via ilegal, através da depravação. Se o desejo feminino não foi despertado pelo fogo vivificante do desejo masculino, a suposição implícita era que ele simplesmente não existia.

Por outro lado, ele não para com o mundo de ontem, que para Zweig coincide com aquele da Belle Époque.

Um conceituado psiquiatra como Paul Julius Moebius publicou um livro – cuja data de publicação, ironicamente, coincidia com a de A Interpretação dos Sonhos – com o título: A inferioridade mental das mulheres [The Mental Inferiority of Women]. Parece um título irônico, não é?, feito para criar uma diversão textual à la Umberto Eco. Mas não, é um título muito sério, onde você pode ler, entre outras coisas, pérolas maravilhosas como esta: “O instinto torna a mulher semelhante aos animais, sempre dependente de influências extrínsecas, autoconfiante e alegre. Nela, existe uma singular força do instinto, que a torna verdadeiramente admirável e atraente. Muitas características femininas estão ligadas a essa semelhança com os animais: acima de tudo, a falta de seu próprio julgamento”. Esses julgamentos parecem arbitrários para você? Não, de forma alguma. Moebius é um positivista convicto e traz evidências, não como quando você cita arbitrariamente, acrescentando: “Os estudos dizem que …”. Ele vai ao concreto, ou seja, ao cérebro: “Permanece completamente demonstrado que as áreas do cérebro das mulheres são menos desenvolvidas do que nos homens, áreas da maior importância para a vida psíquica, como as circunvoluções do lobo frontal e temporal, e essa diferença existe desde o nascimento”. L.W. Von Bischoff, professor de anatomia em Munique, pesou 559 cérebros masculinos e 347 cérebros femininos (virtudes sublimes de quantificação, mas quem sabe por que eles encontraram mais cérebros masculinos do que femininos) com o resultado de uma média de 1.362 gramas para o cérebro masculino e 1.219 para o feminino. Que outra dedução pode ser tirada disso além daquela que dá título ao livro de Moebius?

Entrando no século XX, as coisas não melhoraram de imediato. Mas consideremos o livro de Betty Friedan, O Místério Feminino [The Feminine Mystique], também citado por Lacan. O mistério feminino criticado por Friedan é aquele que, na América dos anos 1950, apresentava a mulher satisfeita em ter filhos, criá-los, limpar a casa e esperar pelo marido depois de preparar o jantar para ele. Parte do sucesso da psicanálise na América dos anos 1950 é alimentada por essas mulheres que, mais cedo ou mais tarde, tiveram que falar com alguém!

Mas depois dos anos 1950 vieram os anos 1960 e 1970, os anos da revolução sexual, e as mulheres não eram mais silenciadas em seus orgasmos ou trancadas em casa para fazer as tarefas domésticas. Gradualmente, o panorama se transforma. Hoje temos um corpo significativo de literatura de mulheres que não apenas falam sobre sua sexualidade, mas que passaram por experiências radicais e nos contam sobre elas sem inibições.

Para desvendar o desejo feminino, Lacan ouviu as místicas, admirou o orgasmo de mármore de Santa Teresa de Bernini. Hoje os autores nos falam de orgasmos que não estão mais aprisionados na pedra, e que são muito menos místicos e muito mais carnais.

Quando criança, Emma Becker ficou intrigada com a ideia da prostituição. Depois de uma adolescência inspirada por sua curiosidade erótica pelos homens – curiosidade que ela generosamente satisfaz e nos conta em seu primeiro livro, Monsieur – aos 25 anos foi morar em Berlim, onde a prostituição é legal. Ela quer escrever um livro algo entre o jornalismo e a literatura, e não quer fazer o papel de uma antropóloga, uma observadora externa. Por isso, ela passa alguns anos trabalhando em um bordel chique, que dá o título a seu segundo livro: La maison . É uma pesquisa extraordinária do desejo feminino, “uma observação microscópica do meu sexo, do que significa ser mulher e nada mais, e ser paga por isso”.

Se a exploração de Emma Becker é casual e prazerosa, a de Nelly Arcan é tensa e dramática. Para pagar seus estudos universitários, ela trabalha como acompanhante, mas seu livro tem o título mais direto de Putain, porque, diz ela, é na verdade o mesmo trabalho. Nesse ínterim, Nelly Arcan está passando por uma análise com um analista com quem ela não pode conversar muito. Então ela escreve, e seus textos têm um valor literário real. É seu analista que a incentiva a publicá-los.

Virginie Despentes, uma feminista radical e “namorada” de Paul Preciado, que conhecemos durante as Jornadas em Paris (2019), explora o feminino “ilimitado”. Seu primeiro livro, Baise-moi , é uma espécie de Thelma e Louise radical, não poupando nada em termos de erotismo, drogas e morte.

Depois, há Grisélidis Réal, porta-estandarte dos direitos das prostitutas, com o slogan “A prostituição é um ato revolucionário”, e é, diz ela, uma arte, um humanismo, uma ciência. Seu livro, Black Is a Color , refere-se à cor da pele de seus amantes favoritos.

Eu diria que agora é a hora de nós, ao lado da leitura das místicas, abordarmos os livros dessas mulheres que não economizaram em explorar e narrar de forma inequívoca os meandros de seu desejo, e certamente temos à nossa disposição um material mais rico e explícito do que tinha Freud. É verdade que já naquela época havia mulheres inteligentes, livres e descontraídas na vida sexual, como a sua amiga e aluna Lou Salomé, mas naquela época ela era antes a exceção que se destacava no pano de fundo de um silêncio ensurdecedor.

 

Tradução: José Wilson Ramos Braga Jr.
Revisão: Leny M. Mrech
 Texto republicado com permissão do autor. Publicado em inglês na Lacanian Review Online em 30/01/2021 no endereço eletrônico
https://www.thelacanianreviews.com/women-tell-their-stories/