Logo Clipp - Clínica Lacaniana de Atendimento e Pesquisas em Psicanálise

ARTIGOS

05/02/2014 

A MANIA E A MELANCOLIA EM FREUD E EM LACAN

Carmen Silvia Cervelatti
Iniciamos nosso trabalho de pesquisa com a questão: a melancolia e a mania são afecções narcísicas e/ou psicose?
Freud privilegiou a regressão da libido ao ego e a identificação melancólica ao objeto, de ordem narcísica. Com Lacan está em questão o campo do objeto e do gozo, o que está em jogo é o objeto a e i(a). Para tanto, nos baseamos na pesquisa nos textos de Freud, Lacan e lacanianos.

A MELANCOLIA EM FREUD
Primeiras referências freudianas ao tema melancolia nos documentos dirigidos a Fliess
Na carta 18 há muitas lacunas em suas ideias a respeito das neuroses.  Há três mecanismos que aparecem nas neuroses: primeiras transformações do afeto, que acontecem na histeria de conversão, os deslocamentos do afeto nas obsessões e a troca de afeto na neurose de angústia e na melancolia.
No Rascunho E ele se refere ao fato da melancolia estar ligada a certa anestesia e afirma que os melancólicos são anestésicos, que eles não têm “necessidade de relação sexual (e não têm a sensação correlata). Mas têm um grande anseio pelo amor em sua forma psíquica - uma tensão erótica psíquica poder-se-ia dizer. Nos casos em que esta se acumula e permanece insatisfeita, desenvolve-se a melancolia”.
No Rascunho G – Melancolia, Freud correlaciona a melancolia e a anestesia sexual, que haveria muitos melancólicos com história previa de anestesia; assinala que o que provoca anestesia favorece o desenvolvimento da melancolia e aponta para o fato de que existe um tipo de mulheres psiquicamente muito exigentes, com um desejo intenso que facilmente se transforma em melancolia, que são frígidas. A melancolia se desenvolve com intensificação na neurastenia por meio da masturbação. Surge combinada com ansiedade intensa. O extremo da melancolia parece ser hereditária periódica ou cíclica. Estabelece alguns pontos de partida: que o luto é o afeto correspondente à melancolia - uma perda na vida pulsional e que a neurose nutricional correspondente à Melancolia é a Anorexia  - a perda de apetite em termos sexuais corresponde à perda da libido. Conclui que a melancolia consiste em luto pela perda da libido.
Quanto à sexualidade Freud afirma que na melancolia ocorre uma perda na quantidade de excitação e que essa perda corresponderia:

Nos textos Neurose e Psicose (1924[1922]), O Ego e o Id (1923) e A Perda da Realidade na Neurose e na Psicose (1924) encontramos a síntese do pensamento de Freud: MELANCOLIA = NEUROSE NARCÍSICA.
Diferentemente da neurose (conflito entre o ego e o id) e da psicose (conflito entre o ego e o mundo exterior), na melancolia o conflito se dá entre o ego e o superego. O superego feroz equivale à consciência moral, é o traço mais forte da melancolia. Dois outros traços também são importantes nos quadros de melancolia: o sentimento de perda e o avassalador sentimento de culpa. O Superego, extremamente forte e dominado pela pulsão de morte, direciona sua ira contra o ego como se tivesse se apossado de todo sadismo que o indivíduo possui. O Sadismo esse cujo componente destrutivo entrincheirou-se no superego e ataca o ego. Muitas vezes, o superego vence ao levar o ego à morte, caso ele não desloque seu opressor a tempo por meio da mudança para a mania.
Em Luto e Melancolia, Freud caracteriza a melancolia: desânimo profundo, perda de interesse pelo mundo externo, perda da capacidade de amar, inibição de todas as atividades, diminuição dos sentimentos de autoestima, autorrecriminação e autoenvilecimento, culmina numa expectativa delirante de punição e sofrimento marcado pela paralisação do desejo e da vontade de vida. São os mesmos traços encontrados no luto, com exceção da diminuição da autoestima.
Na melancolia há empobrecimento do eu, baixa autoestima, pensamentos de "menos valia", insônia, recusa em se alimentar, superando o "instinto que compele todo ser vivo a se apegar à vida", tudo se torna inútil, sem vida, até mesmo o próprio eu que, em consequência, esvazia-se. Há satisfação no desmascaramento de si mesmo - autodifamação - perda relativa a seu ego: uma parte do ego se coloca contra a outra, julga-a criticamente, e, toma-a como seu objeto.
A perda é o elemento característico da melancolia. O conflito ambivalente se dá no âmbito das relações com o objeto: na identificação, na escolha objetal narcísica e nos sentimentos de culpa e autoagressão a que se submete o eu. O investimento libidinal objetal retorna para o eu e para a identificação, pontuando uma forma de recusa psíquica da realidade da perda do objeto. A perda objetal é retirada da consciência levando a um trabalho interno no qual o ego é absorvido, sendo responsável pela inibição melancólica. Esta inibição é enigmática, pois não podemos ver o que é que o absorve.
O objeto perdido. Na melancolia não se tem ideia do que foi perdido. Há um esvaziamento do ego. Freud supõe que na melancolia a perda seja de natureza mais ideal, ou perda do amor do objeto: “o sujeito pode até saber que objeto foi perdido, mas não pode saber o que se perdeu nesse objeto”.
No luto o objeto é abandonado e, mais tarde, substituído por outro. Daí o investimento do eu em outro objeto e a elaboração simbólica das perdas serem possíveis e evidenciadas no trabalho de luto e não na melancolia.
As autoacusações não se aplicam ao paciente, mas a alguém que este ama ou amou: são recriminações ao objeto amado e são deslocadas desse objeto para o seu ego. A libido liga-se a uma determinada pessoa, que, devido a um desapontamento, destroça a relação objetal. A isso se esperaria uma retirada da libido desse objeto e um deslocamento da mesma para um novo. Mas não é o que acontece: a libido livre foi retirada para o ego e serviu para estabelecer uma identificação do ego com o objeto abandonado:
“Assim a sombra do objeto caiu sobre o ego, e este pôde, daí por diante, ser julgado por um agente especial, como se fosse um objeto, o objeto abandonado. Dessa forma, uma perda objetal se transformou numa perda do ego, e o conflito entre o ego e a pessoa amada, numa separação entre a atividade crítica do ego e o ego enquanto alterado pela identificação.” (FREUD, (1917[1915])
A escolha objetal foi efetuada numa base narcisista, de modo que a catexia objetal, ao se defrontar com obstáculos, pode retroceder para o narcisismo. A identificação narcisista com o objeto passa a substituir a catexia erótica, e, em consequência, apesar do conflito com a pessoa amada, não há necessidade de renunciar à relação amorosa.

Mecanismos:

Em Psicologia de grupo e análise do ego, Freud observa que o sofrimento do melancólico é a expressão de um agudo conflito entre as duas instâncias de seu ego, o ideal condena o ego com delírios de inferioridade e autodepreciação. A rebelião periódica do ego contra o ideal do ego em ambos os tipos de melancolia (psicogênico e espontâneo):

  1. Espontâneo: o ideal do ego está inclinado a apresentar uma rigidez peculiar, resulta automaticamente em sua suspensão temporária.
  2. Psicogênico: o ego seria incitado à rebelião pelo mau tratamento por parte de seu ideal, mau tratamento que ele encontra quando houve uma identificação com um objeto rejeitado.

A melancolia para Freud envolve três aspectos principais: perda de objeto, ambivalência e regressão da libido ao eu.
Sobre a Identificação narcísica

A identificação é a primeira forma de laço com o objeto. Este mecanismo será utilizado pela criança para constituir seu eu, e posteriormente, para se relacionar com outras pessoas, se identificando com quem gosta (identificação secundária) e com elementos que contenham formações em comum (identificação histérica). A identificação servirá como forma de proteger o ego do esvaziamento libidinal, mantendo os investimentos em objetos externos.
No narcisismo, o eu necessita do contato com o outro para se constituir por meio de uma identificação primária; incorporando características externas ao seu ego e as mantendo e conferindo sentido por meio de um investimento que faz no seu eu primitivo (narcisismo primário).
A relação do eu com o objeto/outro, culmina numa definição de identificação e de “escolha objetal narcísica”.
Na melancolia, o narcisismo implica o fechamento do encontro com a alteridade do outro, caso contrário há o aniquilamento de seu eu ideal.

A MANIA EM FREUD
Luto e Melancolia

Alguns investigadores colocaram que o conteúdo da mania não difere do da melancolia, e que ambas as desordens lutam com o mesmo ‘complexo’, mas que provavelmente, na melancolia, o ego sucumbe ao complexo, ao passo que, na mania, domina-o ou o põe de lado.
A alegria, a exultação ou o triunfo fornecem o modelo normal para a mania: dependem das mesmas condições econômicas. O ego deve ter superado a perda do objeto (ou seu luto pela perda, ou talvez o próprio objeto), e, consequentemente, toda a quota de anticatexia que o penoso sofrimento da melancolia tinha atraído para si vinda do ego e ‘vinculado’ se terá tornado disponível. Aliberação do objeto que causou seu sofrimento, procurando, como um homem vorazmente faminto, novas catexias objetais.
Na melancolia, a regressão da libido ao eu, ao narcisismo, é o único responsável por resultar na mania. O acúmulo de catexia que, de início, fica vinculado, terminado o trabalho da melancolia a libido se torna livre, fazendo com que a mania seja possível. O conflito no interior do ego, que a melancolia substitui pela luta pelo objeto, deve atuar como uma ferida dolorosa que exige uma anticatexia.
Psicologia de grupo e análise do ego
Trata-se depessoas cujo colorido geral do estado de ânimo oscila periodicamente de uma depressão excessiva, atravessando algum tipo de estado intermediário, a uma sensação exaltada de bem-estar.
Na mania, o ego e o ideal do ego se fundiram produzindo um estado de ânimo de triunfo e autossatisfação, nenhuma autocrítica e abolição de suas inibições, de sentimentos de consideração pelos outros e de autocensuras.

MELANCOLIA E MANIA EM LACAN

Os complexos familiares: “Essa estrutura de involução intrapsíquica, que designamos como introversão da personalidade, ressaltando que se usa este termo em sentidos um pouco diferentes, corresponde à relação do narcisismo, tal como definimos geneticamente enquanto a forma psíquica na qual se compensa a insuficiência específica da vitalidade humana. Desse modo, um ritmo biológico regula, sem dúvida, certos distúrbios afetivos, ditos ciclotímicos, sem que sua manifestação seja separável de uma inerente expressividade de derrota e de triunfo. Da mesma forma, todas as integrações do desejo humano se fazem em formas derivadas do narcisismo primordial.”  (Escritos, p.88)
Formulações sobre a causalidade psíquica: Em 1946, Lacan comparou o distúrbio afetivo que “pode provir da jubilação narcísica com o conhecimento paranoico”. “Eis aqui ligados, pois, o eu primordial como essencialmente alienado e o sacrifício primitivo como essencialmente suicida” (Escritos, p. 187).
Lacan retifica o ponto de vista de Melanie Klein: “...ela reduzia depressa demais a pulsão de morte à agressão contra o outro. O sacrifício primitivo é um sacrifício do sujeito, e a relação com o Outro é que é paranoica. Nesse aspecto, o suicídio melancólico é a contrapartida do assassinato não motivado na vertente paranoica, é o ponto da estrutura onde o sujeito aflora, enquanto inteiramente preso no sacrifício, sem nenhum recurso.” (Escritos, p.159)
Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise: A ação do sujeito no fort-da é exemplar para nomear o vazio da ausência da mãe com a alternância presença/ausência do carretel. O sujeito “eleva seu desejo à segunda potência...”. “O símbolo se manifesta, inicialmente, como assassinato da Coisa, e essa morte constitui no sujeito a eternização de seu desejo.” (Escritos, p.320)
Seminário 10: Na melancolia trata-se de algo diferente do mecanismo de retorno da libido para o próprio eu no luto e, por essa razão todo o processo, toda a dialética se constrói de outra maneira. Trata-se de um objeto a, no quarto nível, o nível escópico, no qual se encontra habitualmente mascarado por trás da i(a) do narcisismo. Desconhecido em sua essência, o objeto no melancólico exige que “atravesse a sua própria imagem e primeiro a ataque, para poder atingir, lá dentro, o objeto a que o transcende, cujo mandamento lhe escapa – e cuja queda o arrasta para a precipitação suicida, com o automatismo, o mecanismo, o caráter imperativo e intrinsecamente alienado”. (p.364)
Quanto ao ciclo mania-melancolia, Lacan propõe que sua apreensão se dá diante da referência ao luto, porém, diferenciando-a da “referência radical ao a, mais arraigada para o sujeito que qualquer outra relação, mas também intrinsecamente desconhecida, alienada na relação narcísica.” (p. 364). Trata-se, então, de uma referência onde se é muito arraigado ao objeto a, inacessível, porém, alienada no narcisismo.
Diferentemente da melancolia, na mania é a “não-função do a que está em causa”, não se trata de desconhecimento. “O sujeito não se lastreia em nenhum a, o que o deixa entregue, às vezes, sem nenhuma possibilidade de libertação, à metonímia pura, infinita e lúdica da cadeia significante”. (p. 365)
Televisão: “A tristeza é qualificada de depressão, ao se lhe dar por suporte a alma, ou a tensão psicológica do filósofo Pierre Janet. Mas este não é um estado de espírito, é simplesmente uma falha moral, como se exprimiam Dante e até Espinosa: um pecado, o que significa uma covardia moral, que só é situado, em última instância, a partir do pensamento, isto é, do dever de bem dizer, ou de se referenciar no inconsciente, na estrutura. É o que se segue – bastando que essa covardia, por ser rechaço do inconsciente, chegue à psicose – é o retorno no real daquilo que foi rechaçado de linguagem; é a excitação maníaca pelo qual esse retorno se faz mortal.” (p.324-5)
Mecanismos:
Foraclusão do Nome-do-Pai
Lacan recupera de Freud o termo Verwerfung, a foraclusão do significante para explicitar que é quando o Nome-do-Pai é chamado na posição de terceiro, que pode “responder no Outro um puro e simples furo, o qual pela carência do efeito metafórico, provocará um furo correspondente no lugar da significação fálica”. (Escritos, p.564)              
“Para tanto, é preciso reconhecer, na modalidade específica de identificação com o pai que entra em jogo nas psicoses, o que Lacan isolou sob o nome de foraclusão do Nome-do-Pai, apontando o regime de identificação que então tem lugar. É esse mesmo mecanismo significante que permite a modalidade de retorno do gozo que é a Coisa que cai sobre o eu. É pela foraclusão do Nome-do-Pai que desvenda a relação com a Coisa.” (Éric Laurent - Melancolia, dor de existir, covardia moral)
“Freud descobriu a identificação psicótica com o pai morto e ao mesmo tempo a relação com a Coisa originária. O sujeito melancólico é condenado pela instância externa por ser dividido por seu próprio gozo, cujo retorno é determinado pela foraclusão do Nome-do-Pai. O sujeito, ao se agredir, manifesta simultaneamente o registro da identificação significante da foraclusão e o registro do gozo”. (Melancolia, dor de existir, covardia moral, p.162)
O registro do Imaginário e a Melancolia
Em De uma questão preliminar a todo tratamento possível da psicose, Lacan faz notar que a desordem crescente do imaginário, a dissolução imaginária, é uma desordem provocada na junção mais íntima do sentimento de vida do sujeito, decorrente do furo na significação fálica (ф0).
As manifestações fenomênicas da melancolia e da mania são ligadas ao Imaginário e desvinculadas da possibilidade de simbolização. Ou seja, o eixo a-a´ está em transitividade, sem a interpolação do Simbólico.
No Seminário 10, Lacan parte da diferenciação freudiana entre luto e melancolia. Nos dois casos, o que está em jogo é o objeto a e i(a) (imagem especular), sendo que na melancolia é o objeto a que triunfa, ou seja, a imagem especular não dá sustentação, enquanto que no trabalho do luto conservam-se, no nível escópico, as ligações pelas quais o desejo se prende a i(a).
“Essa dissolução imaginária, esse levar à morte o i(a), faz o objeto a aparecer em toda sua crueza, desprovido de fantasia ou roupagem narcísica.” (COTTET, S. A “bela inércia” – nota sobre a depressão em psicanálise, in Ensaios de clínica psicanalítica. Rio de Janeiro: Contracapa, 2011, p.27)
O objeto em questão e a constituição da fantasia
No Esquema R, Lacan localiza o lugar-tenente da fantasia no corte mi e MI, que isola uma banda de Moebius. Este corte fornece toda a estrutura:  $ (da banda) recobre o campo R e o a corresponde aos campos I e S, fornecendo o enquadramento da realidade. Para a constituição da fantasia a condição é que $ e a estejam operantes; o sujeito deve estar barrado e o objeto a extraído do campo do Outro.
“É como representante da representação na fantasia, isto é, como sujeito originalmente recalcado, que o $, S barrado do desejo, suporta aqui o campo da realidade, e este só se sustenta pela extração do objeto a, que, no entanto, lhe fornece seu enquadre.” (Escritos, p.560). O $ dá suporte à realidade, mas é o a que dá o enquadre para a fantasia.
Lacan disse, no Seminário 10, não ser por acaso que os suicídios dos melancólicos tantas vezes ocorrem através da janela, pois é um recurso à estrutura da fantasia, que forneceria um enquadre, a moldura da realidade, é uma tentativa extrema, imperativa, automática de enquadrar algo que não faz nenhum efeito, pela não extração do objeto a.
Na melancolia, se na relação aài(a) é o objeto a que triunfa, então a imagem especular não dá sustentação, deixando o sujeito entregue ao desastre do imaginário, sem a intermediação do Outro, porém trata-se de uma identificação ao objeto vil, depreciado.
A melancolia diz respeito a um campo primário, anterior à constituição do corpo próprio pelo estádio do espelho. Se ela dá o segredo deste a primitivo, desconhecido, ele estaria na fronteira entre o imaginário (tendo o i(a) enquanto suplência) e o real (no desencadeamento)?
O objeto não extraído do campo do Outro, não especularizado, poderia, no caso da melancolia, passar, escorregar, transitar numa interpolação, ou seja, de i(a) para m (no grafo do desejo), ou de i para m (no esquema R), de a para (no esquema L). Isso denota que o eixo do Imaginário não foi abarcado pela relação simbólica em virtude de uma falha na significação fálica, advinda da foraclusão do Nome-do-Pai.
“O pior na melancolia é quando não há mais angústia, é quando a melancolia está totalmente desencadeada, porque a angústia ainda é um rastro do desejo do Outro. Mas um desejo do Outro (podemos dizer que o seminário da angústia é um seminário sobre a melancolia) o que é angustiante não é a perda do objeto, mas o retorno do objeto sobre o sujeito. O retorno do objeto que massacra a falta, e isso é verdadeiramente a melancolia, ou seja, as pessoas sentem falta da falta.” (Philippe La Sagna , “A alegria de viver”, in Curinga. Belo Horizonte: Escola Brasileira de Psicanálise, n. 30, junho de 2010, p. 37.)
O real, o imaginário e o simbólico
No Seminário RSI, Lacan aproxima a mania da inibição A inibição é problema de corpo, na qual o real é convocado diretamente, fora do sentido, ele é exterior ao sentido. Na mania, o sujeito não cessa de obturar o buraco do Simbólico, sem integrá-lo. Em Inibições, sintoma e angústia, Freud considera a inibição como o ponto de apelo inicial da depressão. Ele define a inibição como “um limite funcional do eu”, uma limitação na função do eu, um eu empobrecido.
A identificação melancólica não se dá com o objeto perdido, que depende dos significantes, a identificação de dá em relação à Coisa freudiana, das Ding.
No Seminário 7, Lacan recupera a pedra angular, o mais primitivo da constituição do aparelho psíquico, com o conceito de das Ding, localizando aí o início do que ele lá denomina complexo do objeto. Isso está relacionado à Mãe enquanto primeiro objeto. Segundo Freud, A negativa (1925): a tendência a reencontrar o objeto perdido, a Mãe, funda a orientação do sujeito em direção ao objeto. Encontrar o que se repete, o que sempre retorna e nos garante retornar ao mesmo lugar é a exigência de das Ding, uma orientação em direção ao objeto. Ela tem uma função pivô: está no âmago do mundo subjetivo do inconsciente (organizado em relações significantes), no centro, é o interior excluído.
“É em torno desse das Ding que roda todo esse processo adaptativo, tão particular no homem visto que o processo simbólico mostra-se inextrincavelmente tramado.” “É o que – no ponto inicial, logicamente e, da mesma feita cronologicamente, da organização do mundo no psiquismo – se apresenta, e se isola, com o termo de estranho em torno do qual gira todo o movimento da vorstellung, que Freud nos mostra governado por um princípio regulador, o dito princípio do prazer, vinculado ao aparelho neurônico.” (Seminário 7, p.76) .
Psicose ordinária
Miller, em “Efeito retorno sobre a psicose ordinária” (Psicose Ordinária) salienta que frente à “desordem na junção mais íntima do sentimento de vida no sujeito” (“De uma questão preliminar a todo tratamento possível da psicose”) há três possibilidades de suplência ou de “fazer crer compensatório”. Na melancolia e mania trata-se da externalidade subjetiva, responsável pelo sentimento de vida, algo de difícil esclarecimento, mas diz respeito à maneira como o sujeito vive sua própria vida. Esta externalidade relaciona-se ao Outro subjetivo. Na psicose, a experiência do vazio, algo vago não dialetizável, é seu sinal mais frequente . Dentre outros sinais, há a fixidez da identificação com o objeto a como dejeto. Não se trata de identificação simbólica, também não é imaginária: é identificação real, esclarece Miller. É real porque ultrapassa a metáfora, porque vai em direção a realizar o dejeto em sua própria pessoa. “O sujeito pode se transformar num rebotalho, negligenciando a si mesmo ao ponto mais extremo”, e “pode defender-se disso por meio de maneirismo extremo”.
“O início da vida psíquica no clássico Lacan é aquilo que ele chama de imaginário. Todo mundo começa supostamente com o imaginário. (...) O estádio do espelho é a primeira estrutura do mundo primário do sujeito, o que significa que é um mundo muito instável. O mundo estruturado pelo estádio do espelho é um mundo de transitivismo [a -- a’]. Transitivismo quer dizer que você não sabe se foi você ou o outro que fez. (...) É um mundo instável, um mundo sem consistência, um mundo de sombras. Essa é a maneira como, em seu primeiro Seminário, Lacan descreve o mundo primário. (...) É a partir daí que ele estrutura a psicose. É também o mundo da mãe. É supostamente um mundo no qual a força pulsional é aquela do Desejo da Mãe, o desejo desordenado da mãe para a criança-sujeito. De certa maneira, isso equivale a dizer que a loucura é o mundo primário. É um mundo de loucura.” (MILLER, J. A.  Efeito de retorno à psicose ordinária. In: Batista, M C e Laia, S (orgs) – A psicose ordinária: a convenção de Antibes. Belo Horizonte: EBP/Scriputm, 2012, p. 405-407).
Como vimos, Miller falou em identificação real. Identificação ao objeto enquanto real? Ou identificação real ao objeto?
Pela via da suplência, o Ideal de eu [I(A)] poderia fazer esta função porque o eu especular [i(a)], enquanto sede das perfeições do narcisismo primário, se dá mediante a matriz simbólica referenciada ao I(A).
No Seminário 10, vimos que Lacan postula a mania como sendo a não-função do a que está em causa, e não simplesmente seu desconhecimento. “O sujeito não se lastreia em nenhum a, o que o deixa entregue, às vezes sem nenhuma possibilidade de libertação, à metonímia pura, infinita e lúdica da cadeia significante.” (p.365)

À luz deste seminário, podemos concluir que é de uma disjunção radical entre o sujeito e o objeto que advém estas perturbações, por isso, a não constituição da fantasia, ficando o sujeito entregue à metonímia pura pela não função do a (mania), pela referência radical ao a, “intrinsecamente desconhecida, alienada, na relação narcísica” (melancolia), onde é a Coisa (que Freud chamou de sombra do objeto) que recai sobre o eu.

Esta pesquisa se deu no interior do Núcleo de pesquisas em clínica psicanalítica, da CLIPP (Clínica Lacaniana de Atendimento e Pesquisas em Psicanálise), coordenado por Carmen Silvia Cervelatti, por ocasião do convite de Ariel Bogochvol para trabalhar o tema Bipolaridades. Mania e Melancolia para a conversação no VI Enapol, Buenos Aires, 2013. Participaram desta pesquisa: Carmen Silvia Cervelatti, Cláudia Aldigueri, Eliane Kogut, Maria Rosália Pinfildi Gomes, Márcia Assumpção, Márcia Barbeito e Perpétua Medrado Gonçalves.

 


Voltar ao topo
Designer by Neoware - Criação e Desenvolvimento de Websites e Sistemas - Desafie nossa Criatividade