Logo Clipp - Clínica Lacaniana de Atendimento e Pesquisas em Psicanálise

NOTÍCIAS

CLIPP nas IX Jornadas da EBP-SP - Leny Mrech, Diretora de Ensino e Pesquisa, trabalha a Psicanálise, sociedade, isolamento e solidão.

Eixo 3) Solidão não é isolamento - PSICANÁLISE, SOCIEDADE, ISOLAMENTO E SOLIDÃO

Leny Magalhães Mrech

Introdução

Para se lidar com o tema proposto para essa jornada – SOLIDÃO –preferi partir de um delineamento melhor do que acontece na sociedade contemporânea. E isto porque a própria psicanálise, a clínica analítica, a posição do analista e o discurso do analista são afetados pelo nosso Outro: a sociedade.

A sociedade, o laço e a Psicanálise

Uma concepção ingênua da sociedade acredita que ela seria uma evidência em si mesma, levando o sujeito a cair em uma vertente imaginária de um aparente funcionamento do social, como destaca Milleremseu seminário Um Esfuerzo de Poesia(2016,p. 161). Ao tomar asua existência como algo dado, lida-se com ela sem saber como funciona. O que acarreta se conceber a sociedade como um sujeito suposto saber que suscita nossa confiança, ressalta ainda Miller, sem contudo, se ter a menor ideia de como isso ocorre e se mantém.O que se faz é uma entificação do social, reduzindo-o a um ato de fé na divindade social.
Com isso, Miller(2016) revela que a sociedade é um conceito discutível. O que faz com que Lacan prefira falar de laço social. O sujeito não está só com o seu Id, seu Ego e Superego. A verdade psíquica não é um puro solipsismo. O sujeito está sempre no campo do Outro e esse precede ao sujeito e ele nasce no campo do Outro. Todavia, é preciso destacar que o laço social não é sinônimo de sociedade. Ele não equivale a sociedade.
Lacan pluraliza o laço social, possibilitando identificar, que o Um da sociedade é ilusório, ou seja, que a própria sociedade é uma ilusão. (Miller, 2016)
Uma outra característica do laço social é que ele é uma relação de dominação, uma relação de dominante a dominado. A sociedade está fragmentada em diversos laços sociais, que nunca se unem entre si.
Para Lacan, revela Miller(2016) o laço social não consiste no intercâmbio, na cooperação, na coordenação de uns com os outros, na complementaridade e nem na divisão do trabalho.  Não se trata nem do dom e nem a distribuição justa. Não há um Outro que calcula de maneira impecável.
Em decorrência, tanto Lacan quanto Miller, consideram extremamente suspeito tudo aquilo que aparece em nome do igualitário, pois ele camufla o que é da ordem do laço de dominação.
Mas, será que se pode ainda falar em sociedade? Miller avança destacando que a sociedade é o simbólico. A sociedade é superar o estagio do espelho. Há laço social uma vez que se supera a relação dual. (2016, p. 165).

O Discurso do Capitalista:  a criação de novos laços sociais ou seus rompimentos?

No neoliberalismo o discurso do capitalista é aquele que rompe os laços sociais, enviando os sujeitos a uma solidão que se manifesta, principalmente, como a solidão dos produtores e empreendedores de si mesmos, tornando esses sujeitos mercadorias a mais.
Com isso, o laço social em seu direcionamento para o Outro se torna cada vez mais efêmero. As ficções sociais se revelam líquidas, como propõe os trabalhos de Zygmunt Bauman a respeito da modernidade líquida, não havendo um lugar do Outro onde se possa dizer a verdade e garantir alguma consistência.Os sujeitos se liquidificam, se fragilizam.É a época do Outro não existe.

A solidão e o isolamento em nossos dias

Ao contrário do que se poderia imaginar é na época da globalização, em meio à expansão dos meios de comunicação, de transporte e de um novo mundo virtual que o isolamento e a solidão aparecem de forma mais evidente.
Nesse mundo novo há uma relação direta entre os sujeitos e os gadgets/latusas. Uma relação entre os sujeitos e os objetos, que prescinde do Outro. O que torna evidente a não existência de laço social no discurso do capitalista.
Os sujeitos se encontram sozinhos na comodidade de suas casas, interagindo com os computadores ou celulares.
Philippe La Sagna faz uma distinção entre o isolamento e a solidão. O sujeito pode isolar-se para evitar a solidão. Porém, a solidão não é o isolamento. A solidão seria um modo de separar-se do Outro, sem, contudo, prescindir dele.
Miguel Bassols define a solidão como um afeto, algo que se sente e que se encontra geralmente vinculado à angústia. A solidão encontra-se vinculada à falta, Bassols aponta ser a falta do Outro da linguagem. Trata-se de um Outro oscilando entre a presença e a ausência.
O isolamento aparece pela inexistência do Outro, um declínio da função paterna e da lei e a ascensão ao zênite social do objeto a.
Os Hikikomoris e o isolamento
No Japão tem aparecido um novo tipo de isolamento: os hikikomoris. Essa palavra significa estar recluso, estar isolado. São jovens que escolhem abandonar todo tipo de vida social e apresentam ações de extremo isolamento. São mais de um milhão de casos em todo o Japão.
Geralmente esse isolamento começa quando o sujeito passa por distintas frustações (amorosas, acadêmicas, trabalhistas e sociais). Eles se fecham em seus quartos durante anos, sem sustentar uma interação com o mundo exterior, a não ser através de computadores e celulares. Eles passam pelo isolamento e não pela solidão.

Considerações Finais

Ante o disruptivo do encontro com o Outro o sujeito pode se isolar, se direcionando para os objetos para preencher esse vazio. Por sua vez, em uma análise o sujeito pode ter momentos de solidão e não de isolamento. O sintoma revelaria o traço escrito da solidão dos pacientes.

 

Voltar ao topo
Designer by Neoware - Criação e Desenvolvimento de Websites e Sistemas - Desafie nossa Criatividade