Scroll to top
  • Tel.: (11) 3864.7023 / 3938.2611

NÚCLEOS DE PESQUISA 2024 – 1º Semestre

NÚCLEOS DE PESQUISA

Local das atividades dos Núcleos de Pesquisas da CLIPP: Rua Cardoso de Almeida, 60, Conj. 111 e 113.
Informações: (11) 3864.7023 ou psicanalise.clipp@gmail.com

Investimento

  • Valores Núcleos mensais R$ 170,00  |  Núcleos quinzenais R$ 340,00

2024 – 1º semestre

Núcleo de Pesquisa: Psicanálise e Medicina – 2024

Há-Um!

“O ser falante é essa relação perturbada com o próprio corpo que se chama gozo”
(Jacques Lacan)

“Há-um” é um aforismo que Lacan nos apresenta em seu Seminário de 1971-1972 “… ou pior” como uma afirmação jaculatória que segue de perto aquele outro aforismo, mais conhecido, “Não existe relação sexual”. Ponto de partida para o seu último ensino, Lacan nos apresenta, neste seminário, o falasser imerso na solidão do seu gozo (autoerótico) e às voltas com a impossibilidade de obter harmonia entre os sexos. Ávidos em preencher, por meio da linguagem, esta hiância da não existência da relação sexual, o falasser faz do seu corpo a base para os mais diversos modos de gozo e de discursos que reiteradamente levam ao pior. Como circunscrever o real aí entalhado? Como o discurso psicanalítico intervém?

Propomos percorrer o Seminário 19, buscando acompanhar o avanço epistêmico que ele imprime ao ensino de Lacan e extrair elementos que nos permitam pensar a atualidade da clínica psicanalítica.

Para participar do Núcleo é imprescindível realizar ou renovar, a cada semestre, sua inscrição junto à secretaria da CLIPP através do email: secretaria@clipp.org.br

  • Coordenação:  Eliane Costa Dias e Niraldo de Oliveira Santos
  • Periodicidade: mensal / terças-feiras / 20h30 às 22h00
  • Início: 12/03
  • Modalidade: online

Cronograma:

  • 12/03 – Lição I: A pequena diferença
  • 09/04 – Lição II: A função Φx
  • 14/05 – Lição III: Da anedota à lógica
  • 11/06 – Lição IV: Da necessidade à inexistência
  • 13/08 – Lição V: Topologia da fala
  • 10/09 – Lição VI: Peço-te que me recuses o que te ofereço
  • 08/10 – Lição VII: A parceira desvanecida
  • 12/11 – Lição VIII: O que vem a ser o Outro
  • 10/12 – Lição IX: No campo do Uniano
Referência básica:
Lacan, J. Seminário 19: …ou pior. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.
Referencias complementares:
ARENAS, G. “Los 11 Unos del 19 más uno”. Olivos: Grama, 2014.
GORSKI, G.G.; FUENTES, M.J.S. “Leituras do Seminário … ou pior de Jacques Lacan. Salvador: Escola Brasileira de Psicanálise, 2015.
HORNE, B.; GURGEL, I. (org.) O campo Uniano. O último ensino de Lacan e suas consequências. Goiânia: Ares, 2022.
LACAN, J. “Estou falando com as paredes: conversas na Capela de Sainte-Anne. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.
MILLER, J-A. “O Um sozinho”. Curso da Orientação Lacaniana III, 2010-2011. (inédito)
“El Uno en la experiencia analítica – Lecturas del Seminário 19: … o peor”. Buenos Aires: EOL/Grama, Colección Orientación Lacaniana, 2023.

Núcleo de Pesquisa Psicanálise e Atendimento com Crianças e Adolescentes

Sonhos e fantasmas: o que mudou na criança com a invasão das telas?

O nosso interesse pelo tema se deu a partir da leitura do texto de Daniel Roy “Sonhos e Fantasmas na Criança” que orientará os estudos durante os próximos 2 anos na Nova Rede Cereda.

Freud em seu texto “A interpretação de Sonhos” (1900) faz uma contribuição inédita, nos ensinando que o sonho é a via régia para o inconsciente e, portanto, fundamental no tratamento psicanalítico. Lacan também traz diversas contribuições, entre elas, no seminário 6 “O desejo e sua interpretação”, ele diferencia o desejo do sonho na criança e o desejo do sonho no adulto, analisando o sonho da pequena Anna.

Consideramos que os sonhos e fantasmas, assim como os desenhos, jogos e o brincar são manifestações psíquicas trazidas para a sessão analítica, o que nos leva a fazer algumas indagações que pesquisaremos durante este 1º semestre: Qual o estatuto de cada uma destas manifestações? O que dizer sobre o sonho nas crianças? Qual a diferença entre sonhos e pesadelos? Com crianças, qual é o lugar do analista?

Propomos, então, neste semestre uma pesquisa teórica e clínica para responder a estas questões.

Para participar do Núcleo é imprescindível realizar ou renovar, a cada semestre, sua inscrição junto à secretaria da CLIPP através do email: secretaria@clipp.org.br

  • Coordenação: Célia M.B.Siqueira, Luciana C.Rabelo e Maria Cristina M.Felizola
  • Periodicidade: Quinzenal / terças-feiras / 20h30 às 22h00
  • Início: 19.03.2024
  • Modalidade: Online

Programa

  • 19/03 – O sonho em Freud
  • 02/04 – O Sonho em Lacan
  • 16/04 – Jogos, desenhos, fantasmas, histórias
  • 07/05 – Qual relação entre fantasias e telas?
  • 21/05 – Por que é tão difícil dormir? Qual a função dos pesadelos?
  • 04/06 – Convidado
  • 18/06 – Avaliação
Bibliografia:
FREUD, S. (1900) A Interpretação dos Sonhos.  Obras Completas Rio de janeiro, Imago Editora, 1996
LACAN, J. (1958-1959) O Seminário, livro 6: O desejo e sua interpretação. Rio de Janeiro, Zahar, 2016. Pág 73.
Maia, A.M.W. (org.) Sonhos de Criança. Goiânia. Kelps, 2021
MILLER, Jacques-.Alain. A criança e o saber. CIEN-Digital, n.11, jan. 2012. Disponível em: http://www.institutopsicana- lise-mg.com.br/ciendigital/pdf/CIEN
Miller, J.-A Interpretar a Criança. Opção Lacaniana nº 72 p. 13-19, 2016
NEGRO, M.A. Como a época incide na criação das fantasias por parte da criança? In: Rayuela_Publicação Virtual da Nova Rede CEREDÁ nº 10
ROY, D. Sonhos e Fantasmas na Criança. In: Rayuela_Publicação Virtual da Nova Rede CEREDÁ nº 10

Núcleo de Pesquisa e Leitura sobre Apresentação de Pacientes e Psicose – 2024

O que as Apresentações de pacientes ainda nos ensinam?

Este ano, o Núcleo de Apresentação de Pacientes e Psicose da CLIPP continuará investigando, principalmente, a clínica das psicoses e o diagnóstico nas Apresentações de pacientes. Continuaremos com um  programa de investigação, buscando tirar consequências das Apresentações publicadas e as realizadas pela Seção Clínica da CLIPP.

Nessa direção, o trabalho do analista nas Apresentações é o de apreender, em cada caso, como o sujeito busca a sua maneira de dar um sentido às coisas e de ordenar o seu mundo.

Nos primeiros encontros trabalharemos a fundamentação teórica que nos guiará para o próximo momento da construção e discussão dos casos clínicos que compõem as apresentações.

Para participar do Núcleo é imprescindível realizar ou renovar, a cada semestre, sua inscrição junto à secretaria da CLIPP através do email: secretaria@clipp.org.br

  • Coordenação: Marizilda Paulino e Perpétua Medrado Gonçalves
  • Periodicidade e horário: sextas-feiras / quinzenal /das 16h às 17h30
  • Início:  15/03/2024
  • Modalidade: presencial e online

PROGRAMA DO PRIMEIRO SEMESTRE

Março

Abril

  • 05 – Apresentação de pacientes: fazer surgir o sujeito.
    • De Marcelo Veras
      In: A loucura entre nós: uma experiência lacaniana no país da saúde mental. Salvador, Aldeia Bahia Brasil, 2010
  • 19 – Enseñanza de las presentaciones clínicas – La construcción del caso Julien (Antena clínica de Aix-Marsella)

Maio

  • 03 – Apresentação de pacientes: Un caso de Escuela
    • Por: Jacques-Alain Miller
  • 17 – Discussão da Apresentação

Junho

  • 07 – Apresentação de pacientes CLIPP
  • 21 – Discussão da Apresentação

Núcleo de Pesquisas em Psicanálise e Filosofia

QUESTÕES AO FEMININO: MULHERES ENTRE MITOS E SEMBLANTES

Freud cria a Psicanálise em torno do trabalho clínico com as histéricas: com elas e para elas abre-se um novo saber e, no decorrer de sua vida-obra, ele se pergunta “o que querem as mulheres?”, pergunta à qual se dedica mais e mais, diante da falta de resposta. Perguntar-se sobre “A” mulher leva a impasses e confunde a qualquer que busque um universal feminino, pois o que se tem são mulheres, no singular.

Lacan repete, “A mulher não existe”, e se isto subverte o conceito de Psicanálise enquanto ciência, permite conceituar desejo e gozo em Psicanálise, diferentes entre si, únicos em cada indivíduo, seja este portador ou não de símbolos fálicos.

Se “A mulher” não existe, existem mulheres, uma a uma – pensar “uma a uma”? Na história do Ocidente, mitos, modelos, figuras, tentam dar conta do que seria essa coisa estranha chamada mulher – esquisita para homens, esquisita para mulheres.

Para Lacan os mitos advêm da estrutura, tentativas de dizer o que não pode ser dito devido ao limite imposto pelas palavras. Mitos tentam dar conta d’A mulher, da essência do que seja o feminino. Mitos que talvez façam parte da estrutura do homem, organizada ao redor do falo, Freud dixit; para Lacan A mulher é a fantasia do homem.

Entre mitos e semblantes, como se cria uma mulher?

  • COORDENAÇÃO:  Maria Bernadette Soares de Sant’Anna Pitteri e Márcia Aparecida Barbeito
  • PERIODICIDADE: Quinzenal / Segundas-feiras / 18h30 às 20h00
  • INÍCIO: 18 de março – 18h30
  • MODALIDADE: online
  • DATAS
    • 18/03/2024 – Mulheres e Mitos : Pandora – Eva – Maria.
    • 25/03/2024 – Convidada Nina Auras: “Linguagem e fundamentos da Dialética Hegeliana”.
    • 15/04/24 – Convidado: Vladimir Safatle – lançamento do Livro Alfabetos e Colisões. São Paulo, Ed, Ubu, 2024.
    • 29/04/24 – O Mito grego da criação d´A Mulher – Pandora, o castigo para os homens – Eva, mãe dos viventes – Traição e castigo para os homens.
    • 13/05/24 – Maria, a virgem e a Outra.
    • 27/05/24 – Questões ao feminino – Ser/ Ter. Freud, a Histeria e a Mãe.
    • 10/06/24 – Lacan e “A mulher não existe”. Medeia.
    • 24/06/24 – De Mulheres e Semblantes – Do Gozo Feminino ao Gozo como tal.
SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS
FREUD, S. A Cabeça de Medusa (1940[1922]).  ESB, V.XVIII. Rio de Janeiro: Imago Ed. Ltda, 1976.
________.  Grande é Diana dos Efésios (1911). São Paulo: Cia das Letras, Vol. 10.
________.  O tema da escolha do cofrinho (1913). São Paulo: Cia das Letras, Vol. 10.
________. Novas conferências introdutórias sobre a psicanálise – Conferência XXXIII: Feminilidade (1933[1932]). São Paulo: Cia das Letras, Vol 18
________.  Sobre a Sexualidade feminina (1931). São Paulo: Cia das Letras, Vol. 18.
LACAN, J. diretrizes para um Congresso sobre a Sexualidade Feminina. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.
_________. O Seminário – Livro 20, Mais Ainda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1995.
MILLER, JA. Mulheres e Semblantes 1.  http://www.opcaolacaniana.com.br/pdf/numero_1/mulheres_e_semblantes_i.pdf
_________. Mulheres e Semblantes 2. http://www.opcaolacaniana.com.br/pdf/numero_1/mulheres_e_semblantes_ii.pdf
_________. A Criança entre a mulher e a mãe. http://www.opcaolacaniana.com.br/pdf/numero_15/crianca_entre_mulher_mae.pdf
_________. Os semblantes entre os sexos. Abertura da Grande Conversação Virtual Internacional da AMP, Paris, 2022. São Paulo: EBP, 2022.
ALBERTI, Christiane. A Mulher não existe.  Argumento da Grande Conversação Virtual Internacional da AMP, Paris, 2022. São Paulo: EBP, 2022.
Pitteri, M. Bernadette S. de S. Mulher e Mito – Pandora. In: Carta de São Paulo,  São Paulo: EBP; IPPSP, ano VII, n.2, p. 6-10, abr. 2000. ISSN 2447-6633.
_____. M. Bernadette S. de S.  Mulher – Mitos, Figuras, Modelos e Semblantes – Conferência na Faculdade de Educação – USP – 5 de outubro de 2012. https://clipp.org.br/mulher-mitos-figuras-modelos-e-semblantes/
HESÍODO. Os Trabalhos e os Dias. Edição Bilíngue, Trad. Mary de C. N. Lafer. São Paulo: Iluminuras – Projetos e Produções Editoriais Ltda, 1991.
________ .  Teogonia. Edição Bilíngue, Trad. Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras – Projetos e Produções Editoriais Ltda, 1991.
EURÍPEDES. Medeia. Espanhol, Domínio Público.  http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bk000434.pdf
EURÍPEDES. Medeia. Edição Bilingue. São Pa7ulo, Ed. 34:2010. https://geha.paginas.ufsc.br/files/2016/03/MEDEIA.pdf
SAFATLE, Vladimir. Alfabetos e Colisões. São Paulo, Editora Ubu, 2024.
Bíblia Sagrada
FILMES
LAÇO MATERNO: A mãe de Shuhei se sente ameaçada quando ele começa a despertar para um mundo além do seu controle doentio e acaba conduzindo a família a uma tragédia.
Lançamento: 3 de julho de 2020 (Japão) – Netflix. Diretor: Tatsushi Omori
A FILHA PERDIDA:  As férias pacatas de uma mulher mudam de rumo quando sua obsessão por uma jovem mãe hospedada nas proximidades traz à tona antigas lembranças. 
Lançamento: 31 de dezembro de 2021 (Brasil) – Netflix. Diretora: Maggie Gyllenhaal

Núcleo de Pesquisas em Psicanálise e Educação

A sexualidade em Freud e a Sexuação em Lacan: suas decorrências para a Educação, professores e alunos 

Quando se pensa a questão da sexualidade em Freud descobre-se que ele fundou um lugar próprio para pensá-la: a Psicanálise. E é, em função dela, que temos novas maneiras de abordar a sexualidade a partir da linguagem, propiciando que ela não possa mais ser reduzida ao biológico.

Assim pode-se dizer que desde Os Três Ensaios e as Teorias Sexuais Infantis foi possível estabelecer outras formas de pensar o que ocorre com as crianças, os adolescentes e os adultos. O Édipo propiciou ainda um novo modo de se lidar com as relações familiares. Devido a tudo isso, a maneira da Educação pensar os sujeitos foi radicalmente afetada pela Psicanálise.

Atualmente estamos em um momento crucial: o do último ensino de Lacan. Novos conceitos surgiram para delinear mais precisamente a prática analítica. O direcionamento para o real, o todo fálico, o não-todo fálico, o não há relação sexual, as fórmulas da sexuação etc. Eles revelam novas maneiras de se lidar com as modalidades de gozo. O conceito de sexuação em Lacan é estratégico para se lidar com a sexuação como um buraco no real. E, mais uma vez, a Educação é afetada pela Psicanálise.

Ao longo do semestre iremos investigar a sexualidade em Freud e a sexuação em Lacan e seus efeitos na Educação. Um direcionamento para o real dando ênfase ao que ocorre com os alunos e professores.

Para participar do Núcleo é imprescindível realizar ou renovar, a cada semestre, sua inscrição junto à secretaria da CLIPP através do email: secretaria@clipp.org.br

  • COORDENAÇÃO:  Leny Magalhães Mrech
  • PERIODICIDADE: Quinzenal / Segundas-feiras / 16h30 às 18:00 horas
  • INÍCIO: 18 de março – 16h30
  • MODALIDADE: online
  • DATAS
    • 18/03/2024 – O conceito de sexualidade em Freud e suas decorrências na Educação
    • 25/03/2024 – A sexualidade perversa e polimorfa em Freud e seus efeitos na Educação Infantil.
    • 08/04/2024 – A adolescência e a descoberta da sexualidade: encontros e desencontros
    • 22/04/2024 – A sexuação em Lacan: semelhanças e diferenças com Freud
    • 06/05/24 – As Fórmulas Quânticas da sexuação
    • 20/05/24 – O todo fálico e o não-todo fálico: a questão do feminino.
    • 03/06/24 – Não há relação sexual
    • 17/06/24 – A sexuação como um buraco no real
SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS
ANDRÉ, S. (1998). O que quer uma mulher? Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
BONFIM, F. & VIDAL, P. (2009). A feminilidade na psicanálise: a controvérsia quanto à primazia fálica. Fractal: Revista de Psicologia21(3), 539-548.
BRODSKY, G. (2008).  O homem, a mulher e a lógica. Latusa – Revista da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP-Rio), (13), 171- 192.
CALDAS, H. (2008). Saber fazer com a não-relação. In: S. Alberti (Org.), A sexualidade na aurora do século XXI (pp. 375-385)Rio de Janeiro: Companhia de Freud.
FREUD, S. (1905) Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Edição Standard Brasileira das obras completas, vol. VII. Rio de Janeiro: Imago, 1976.  101
FREUD, S. (1915) Os instintos e suas vicissitudes. Edição Standard Brasileira das obras completas, vol. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
FREUD, S. (1920) Além do princípio do prazer. Edição Standard Brasileira das obras completas, vol. XVIII. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
FREUD, S. (1923) O ego e o id. Edição Standard Brasileira das obras completas, vol. XIX. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
FREUD, S. (1923) Organização genital infantil. Edição Standard Brasileira das obras completas, vol. XIX. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
FREUD, S. (1924) A dissolução do complexo de Édipo. Edição Standard Brasileira das obras completas, vol. XIX. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
FREUD, S. (1924) O problema econômico do masoquismo. Edição Standard Brasileira das obras completas, vol. XIX. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
FREUD, S. (1925) Algumas consequências psíquicas das distinções anatômicas entre os sexos. Edição Standard Brasileira das obras completas, vol. XIX. Rio de Janeiro, 1976.
FREUD, S. (1931) Sexualidade Feminina Edição Standard Brasileira das obras completas, vol. XXI Rio de Janeiro: Imago, 1976.
FREUD, S. (1933) A feminilidade. Novas Conferências Introdutórias XXXIII. Edição Standard Brasileira das obras completas, vol.XXII, 1969.
FREUD, S. (1937) Análise terminável e interminável. Edição Standard Brasileira das obras completas, vol. XXIII, 1975.
LACAN, J. (1998b). Diretrizes para um congresso sobre a sexualidade feminina. In Escritos (pp.734–748). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
LACAN, J. (2003). O aturdito (1972). In J. Lacan, Outros Escritos (pp. 448–497).Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
LACAN, J. (2005). O Seminário 10 – a angústia (1962-63). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
LACAN, J. (1985). O Seminário 20 – mais, ainda (1972-73). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
MOREL, G. (1997). Sexuação, Gozo e Identificação. Latusa – Revista da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP-Rio), (1), 89-112.
POLI, M. C. (2008). A diferença sexual em psicanálise. In S. Alberti (Org.). A sexualidade na aurora do século XXI(pp.355-371)Rio de Janeiro: Companhia de Freud.
ROSA, M. (2001). “Essas coisas absolutamente heteróclitas.” Opção Lacaniana – Revista Brasileira Internacional de Psicanálise, São Paulo, (31), p.56-59.
RUBIÃO, L. (2006). A comédia e a ruptura dos semblantes: notas sobre “As nuvens”, em liturraterra. Agora9(2), 259-271.
SOLER, C. (2005). O que Lacan dizia das mulheres. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
ZUCHI, M. (2008). Sobre o sexo e os limites do semblante.  Latusa – Revista da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP-Rio), (13), 85-94.

NÚCLEO DE PESQUISAS EM PSICANÁLISE E TOXICOMANIA

Leituras de textos a propósito da toxicomania

No primeiro semestre de 2024 o Núcleo de Pesquisas em Psicanálise e Toxicomania estará às voltas com leituras de textos a propósito da toxicomania. Textos de fora do campo freudiano que serão cotejados em vinculação com aqueles desenvolvidos no âmbito do campo freudiano onde observa-se uma admirável confluência de posição entre autores como Miller, Sinatra, Naparstek, Santiago, Mazzei.

Para participar do Núcleo é imprescindível realizar ou renovar, a cada semestre, sua inscrição junto à secretaria da CLIPP através do email: secretaria@clipp.org.br

  • Coordenação: Durval Mazzei e Angelino Bozzini
  • Periodicidade: Mensal / último sábado do mês / das 10h00 às 11h30
  • Início: 30/03/2024
  • Modalidade: Online
  •  DATAS:
    • 30/03
    • 27/04
    • 25/05
    • 29/06
Bibliografia:
Nobres & Anjos. Um estudo de tóxicos e hierarquia – Gilberto Velho – Fundação Getúlio Vargas Editora, 1998.
O prazer e o mal. Filosofia da droga – Giulia Sissa – Civilização Brasileira, 1999.
Os estados psicóticos: textos: Da toxicomania e Psicopatologia da toxicomania e do alcoolismo – Herbert Rosenfeld – Zahar Editores, 1968